Se você é uma pessoa que vive fazendo reparos em casa ou participando de projetos de construção, é possível que já tenha encontrado a necessidade de cortar metais, madeiras ou qualquer outro material complexo. E para conseguir cumprir essa tarefa de maneira completa, é importante conhecer os principais tipos de serra disponíveis no mercado.

Isso mesmo! Ao contrário do que se acredita, existem diversos modelos distintos, cada qual com as suas especificações e indicações exclusivas. Enquanto uns são próprios para cortar madeira, outros são recomendados para materiais mais espessos e por aí em diante.

Diante de tal cenário, nada melhor do que compreender as diferenças entre os tipos de serra, as suas formas de utilização e cuidados a serem tomados ao longo do processo. 

Ficou interessado? Então, continue acompanhando a leitura e se aprofunde agora mesmo no assunto!

Afinal, o que é uma serra?

Todo indivíduo que, em algum momento, precisou realizar reparos em casa, já teve contato com uma serra. Ideal para cortar diferentes tipos de materiais, essa ferramenta é composta, em maioria, por uma folha de aço repleta de recortes.

Utilizar a serra é simples. Para que o equipamento cumpra a sua função, será necessário realizar movimentos contínuos sobre a superfície do material que será cortado, podendo ser uma madeira, um metal ou um plástico.

Já a inclinação dos seus dentes dependerá da forma do corte, bem como do elemento que será retalhado — detalhe este, que será o responsável por causar a separação completa do objeto, ou somente a deterioração das fibras.

Quais são os principais tipos de serra mais comuns?

Em uma breve pesquisa no mercado, você poderá encontrar dois tipos de serra que são os mais utilizados da atualidade: a serra manual e a serra elétrica. A seguir, falaremos mais sobre as características de cada uma delas:

Serra manual

As serras manuais, também conhecidas como “de mão” ou “serrotes”, são tipos de serra frequentemente utilizadas no corte de painéis de madeira, tábuas, compensados, placas de Medium-Density Fiberboard (MDF), dentre outros.

Ao investir em um modelo completo e de qualidade, ainda é possível encontrar uma camada de teflon em suas lâminas, permitindo que o material tenha mais proteção e consiga deslizar com facilidade sobre o local que será cortado.

Em geral, o punho dessa ferramenta é produzido a partir de madeira, mas também há modelos em plástico e com um acabamento antiderrapante, proporcionando assim, total segurança ao longo das tarefas.

O formato dos dentes do equipamento também pode variar, dependendo da utilização da peça. As versões “verticais”, por exemplo, são recomendadas para traçar. Por outro lado, as alternativas “universais”, são ótimas soluções para serrar.

Durante a sua busca pelo modelo ideal, vale a pena ficar atento ao número de dentes da ferramenta, que deve ser medido por polegada. Veja a relação abaixo:

  • para madeiras espessas: 5-7 teeth per inch (TPI);
  • para objetos finos: 9-13 TPI;
  • para objetos ainda mais finos: 13-16 TPI.

Ainda dentro dessa categoria, existem tipos de serra manuais indicadas para finalidades específicas. Confira:

  • Serrote de costas: é um produto que apresenta lâmina retangular, costas reforçadas e dentes bem afiados, sendo recomendado para corte em madeiras com mais de uma folha;
  • Serra de caixilhos: esse modelo é muito semelhante ao modelo anterior. No entanto, a serra de caixilhos conta com dimensões menores e dentes levemente inclinados. Ele é ideal para cortes molduras, ripas e entalhes;
  • Serra de painéis: possui um nariz dentado, o que permite iniciar o corte através de um painel, dispensando a necessidade de realizar furos;
  • Serra de enquadrilhas: consiste em uma guia de corte, com precisão milimétrica. Aqui, também há a possibilidade de regularizar a sua posição da direita para a esquerda, de acordo com o grau ou o ângulo.
  • Serra universal: indicada para cortar quantidades elevadas de materiais, sendo o plástico, o metal e a madeira os mais comuns;
  • Serra de metais: composta por um arco metálico e dentes posicionados para o lado de fora. Pode ser usada tanto para cortar metais, quanto madeira, plástico ou outros elementos;
  • Serra para concreto: formada por uma peça básica e fixada em uma lâmina exclusiva para metais. É uma alternativa própria para quem deseja trabalhar com objetos de alta complexidade.

Serra elétrica

Fora os tipos de serra manuais, que são as mais conhecidas e acessíveis, existem as versões elétricas — populares por facilitar o trabalho dos profissionais da área, especialmente, aqueles que atuam com a confecção de mobília.

Assim como os modelos clássicos, estes também são classificados em categorias distintas e que podem variar conforme a necessidade do projeto. Vamos ver quais são eles?

Serra elétrica circular

Esse modelo é excelente para cortes em madeira e outros materiais, desde que o seu disco esteja capacitado para essa finalidade.

Só tome cuidado para não utilizar esse modelo em pedra, metais de carbono, peças de alvenaria ou painéis de madeira compostos por pregos.

Serra elétrica tico-tico

Outra opção muito conhecida entre os tipos de serra elétrica é o modelo “tico-tico”. Nesse caso, o equipamento é capaz de fazer cortes precisos e minuciosos em diversos tipos de materiais, como madeira, plástico e cerâmica.

Ao usar esse modelo, você perceberá que a ferramenta consegue realizar cortes em, no máximo, 45º, seja em linha curva ou reta. A profundidade do corte também pode oscilar, conforme o comprimento da lâmina e a finalidade do trabalho.

Serra elétrica mármore

Esse equipamento é composto por discos pequenos e com alta rotação. Em alguns casos, é recomendado o uso de discos diamantados, uma vez que proporcionam alta resistência na hora de cortar materiais mais grossos, como tijolos, pedras, pisos e, inclusive, paredes.

Serra elétrica fita

Entre os tipos de serra, esse é um dos mais versáteis do mercado. Com ele é possível realizar variados cortes — dos retos até os curvos e irregulares.

Tal alternativa também pode ser utilizada para serrar elementos de grande espessura e que apresentam certa resistência aos serem cortados com as tradicionais serras circulares.

Serra elétrica meia esquadria

Este modelo é bastante usado em construções, reformas ou projetos exclusivos de marcenaria. Com esse equipamento, você conseguirá criar cortes minuciosos e nos mais diversos ângulos — de 45º até 90º.

A alternativa ainda consegue promover um excelente acabamento e alta precisão. A sua única missão durante a escolha, será identificar o disco correto para cada material que será cortado.

Quais os cuidados que devem ser tomados ao usar essa ferramenta?

Não é segredo que as serras manuais e elétricas podem causar acidentes durante o seu uso. E esse risco é ainda maior, nos momentos em que esses equipamentos não são utilizados da maneira adequada ou quando há pouca segurança durante uma determinada atividade.

Quer fugir desse problema? O ideal é sempre investir em acessórios de proteção, que são fundamentais e excelentes para evitar qualquer tipo de dor de cabeça. Abaixo, contamos quais são eles: 

Ainda é interessante seguir alguns passos antes de iniciar qualquer trabalho, como:

  • verifique onde estão os cabos da sua ferramenta e mantê-los sempre longe da serra ou da área que será cortada;
  • ao cortar uma madeira, procure reservar um espaço no chão para que os resíduos caiam imediatamente;
  • cheque se a serra elétrica está desligada na hora de trocar o disco.
  • veja também se não há nenhuma folga no aperto da ferramenta, já que um disco mal posicionado pode danificar completamente o projeto.

Dica bônus

Por último, mas não menos importante, faça a manutenção periódica dos seus equipamentos. Com os aparelhos em dia, você conseguirá não somente realizar trabalhos impecáveis, como também, prolongar a vida útil de cada peça.

A melhor saída é manter as lâminas bem higienizadas. Nas lojas especializadas em construção, é possível encontrar produtos próprios para essa atividade e capazes de eliminar resinas ou demais resíduos que podem ficar acumulados na superfície do aparelho com o passar do tempo.

Não se esqueça também de prezar pela organização do espaço onde serão realizados os cortes, sempre armazenando as suas ferramentas em locais próprios, com pouca umidade, boa ventilação e longe da circulação de outras pessoas. Não tem erro!

E então, o que achou de conhecer os principais tipos de serra e os cuidados que devem ser tomados ao utilizar cada um desses equipamentos?

Caso tenha gostado, aproveite e cadastre seu e-mail em nossa newsletter para ficar por dentro das novidades do Toca Obra e receber muitos outros conteúdos como este para deixar sua obra completa.

Contrate um ninja