Os revestimentos podem ser de piso e de parede – e hoje o mercado disponibiliza uma série de opções, com materiais diferenciados, tratamentos versáteis e tecnologias distintas. Justamente por isso, entender quais são os principais tipos de revestimento é de suma importância.

Afinal, somente assim você conseguirá fazer uma escolha melhor, considerando não apenas a beleza ou a estética, mas também a funcionalidade, os tratamentos e a durabilidade de cada um dos tipos de revestimento.

Não sabe qual revestimento usar na sua obra? Continue a leitura e veja as dicas que o Toca Obra trouxe para te ajudar nessa decisão!

O que são os revestimentos e para que eles servem?

A palavra revestimento é usada para designar os acabamentos de piso e de parede como: azulejos, porcelanatos, cerâmicas, pisos cimentícios, pastilhas, pedras e outros. Ou seja, são todos aqueles materiais que revestem a alvenaria (camada externa das estruturas de paredes ou de pisos).

A escolha é capaz de impactar diretamente no resultado estético do ambiente e também na funcionalidade. Afinal, hoje existe uma série de tipos de revestimento que variam nos materiais e também nos tratamentos e tecnologias.

Para escolher o mais adequado, é importante pensar em quem usará o ambiente, a função do cômodo, o nível de exposição solar e se o revestimento será aplicado dentro ou fora da residência.

Porém, fique atento, porque dependendo do revestimento usado será preciso contratar mão de obra especializada, garantindo que o resultado estará de acordo com a sua expectativa.

Tipos de revestimento: quais são e para onde são indicados?

Como dissemos, atualmente, existe uma variedade bem grande de tipos de revestimento – e cada um dele pode ser mais ou menos indicado, dependendo do seu ambiente, exigências e usos. Confira os mais comuns:

Cerâmicos

Um dos tipos de revestimento mais comum no Brasil é o cerâmico. Ele pode ser encontrado em versões de piso e de parede (azulejos). Antigamente, sua produção era feita de maneira artesanal, hoje o processo é industrializado, para uso em larga escala.

A principal característica do revestimento cerâmico é a sua facilidade de limpeza e de manutenção, além da versatilidade de uso, já que existem versões para áreas internas e externas.

Para saber qual é mais ou menos indicado, a dica é conferir o índice de resistência à abrasão – que determina se a cerâmica escolhida é recomendada para piso interno, externo ou apenas para uso em paredes.

Atualmente é possível encontrar uma infinidade de modelos, com ares mais retrô, imitando outras texturas e versões com formatos diferenciados.

Para os azulejos, os tamanhos mais comuns são: 15×15, 30×30, 35×35, 30×60, 40×90, 45×45 e 50×50. Os acabamentos também são variáveis, com opções:

  • acetinadas: é um azulejo esmaltado, mas com o brilho menos intenso;
  • brilhantes: azulejo esmaltado e de alto brilho;
  • estampados: esmaltado com diferentes estampas e desenhos.

Porcelanato

É um tipo de revestimento que lembra bastante a cerâmica, porém conta com um processo produtivo mais “tecnológico” e moderno, criando um material mais resistente e homogêneo.

Para sua produção é usada uma mistura de porcelana com diversos minerais que é queimada em uma alta temperatura, proporcionando maior resistência e menos porosidade (absorvendo menos água), além de maior durabilidade ao revestimento.

Por isso, o porcelanato pode ser usado tanto em áreas residenciais como comerciais e de alto tráfego, por exemplo shoppings e aeroportos. Outro diferencial é a sua facilidade de limpeza e, assim como as cerâmicas, também existem versões de piso e de parede.

Atualmente, a indústria conta com uma série de opções de porcelanatos, de tamanhos diferentes (inclusive versões em grandes formatos), cores, estampas e até recriando texturas (como os que imitam madeira, pedras e outros materiais).

Além disso, os grandes formatos são a tendência nos projetos mais atuais. Em relação a isso, o porcelanato é um dos tipos de revestimentos que possui o formato mais diferenciado.

Assim como a cerâmica, também existem diferentes tipos de acabamento:

  • acetinado: conta com a finalização fosca, é mais resistente a arranhões e manchas e menos escorregadio (porém, não é indicado para áreas externas);
  • polido: possui acabamento brilhante, é fácil de limpar e absorve pouca água, mas é bastante escorregadio (também não é indicado para áreas externas);
  • natural: ideal para quem deseja um acabamento rústico, ele não recebe polimento e pode ser usado em áreas internas e externas;
  • externo: ideal para áreas externas, conta com superfície rugosa e pouco escorregadia.

As bordas também podem ter diferenças, com versões retificadas ou bold – o que interfere na espessura do rejunte.

Na versão bold, as bordas são levemente arredondadas, sendo indicado deixar em torno de 3mm entre as peças. E na retificada as bordas são retas, o que confere um acabamento mais clean e um assentamento mais uniforme.

Madeira e laminados

É um dos tipos de revestimento mais procurado, tanto na sua forma natural, como em materiais que imitam a textura.

Para pisos, as melhores madeiras são: Ipê, Cumaru, Garapa, Jatobá e Muiracatiara.

As formas mais comuns de aplicação são as listadas abaixo.

  1. Piso Laminado: possui fácil aplicação e bom custo-benefício por ser produzido com madeira aglomerada. O piso vem em peças prontas que são colocadas sobre uma manta de polietileno e não necessita de verniz. Porém, o laminado não pode entrar em contato com água ou sol intenso.
  2. Taco: pequenos pedaços de madeira dispostos sobre o contrapiso, compondo desenhos geométricos diferentes. Foi muito usado no Brasil entre as décadas de 1950 e 1960. Possui uma estética muito bonita, porém a instalação é trabalhosa, com lixamento e aplicação de verniz.
  3. Assoalho ou tábua corrida: tem o custo mais alto que o laminado porque é feito com madeira natural. A instalação exige um contrapiso nivelado e, depois de colocado, será preciso lixar e envernizar.
  4. Madeira de demolição: é ideal para quem deseja um estilo mais rústico. É um revestimento resistente e se tratado de maneira correta poderá durar anos.

Piso Vinílico

É um revestimento feito com PVC que pode ser comercializado em formato de placas, mantas ou réguas. Como é um material sintético, possui um preço bastante atrativo.

A aplicação é muito rápida e precisa ser feito sobre contrapiso nivelado. Outra vantagem é a facilidade de limpeza (que deve ser feita com pano úmido). Deve ser aplicado em áreas secas, longe da água.

Pastilhas

São revestimentos exclusivos de parede e também são materiais cerâmicos, porém são menores que os azulejos. É possível encontrá-las em várias cores, tipos, acabamentos e materiais.

As pastilhas costumam ter uma durabilidade mais elevada e podem ser usadas em locais úmidos (cozinha, banheiro e lavanderia) e áreas externas, como as fachadas.

Além das tradicionais cerâmicas, também existem versões em vidro e em porcelana – e outras mais exóticas como em madeira, inox, pedra e até casca de coco. Embora os modelos quadrados sejam os mais usuais, existem formatos alternativos, como hexágonos e retângulos.

Outra característica é que as pastilhas exigem uma área de rejunte maior, o que pode dificultar um pouco a limpeza. Então, se você está em busca de praticidade e rapidez na manutenção do dia a dia, talvez essa não seja a melhor opção.

Pedra Natural

As pedras naturais são revestimentos que podem ser usados em pisos e paredes, além das bancadas. Como elas são extraídas da natureza, é impossível controlar sua aparência. Assim, as peças serão sempre distintas entre si.

Para escolher a pedra certa, é essencial pensar onde ela será usada e também conhecer suas características básicas. Veja algumas das pedras mais usadas:

  1. Granito: oferece uma ótima relação de custo-benefício. Ele pode ser polido, levigado, apicoado e flameado. É bastante resistente e pode ser usado em áreas internas e externas, nas paredes, pisos e bancadas.
  2. Mármore: existe uma infinidade de tipos de mármores que variam na tonalidade e na região de extração. Essa é uma pedra durável e resistente a impactos, mas bastante porosa. Ou seja, ela absorve com facilidade água e gorduras, por isso é mais indicada para áreas internas em pisos, paredes e bancadas.
  3. Ardósia: excelente para criar uma decoração sóbria e sofisticada. Ela se apresenta em três cores: verde, cinza e preto. Como é escorregadia, costuma ser usada mais em paredes, embora também haja uso em pisos. Para reduzir a porosidade, a dica é selar a ardósia com resina.
  4. Quartzito: pedra antiderrapante, sendo excelente para áreas externas, como bordas de piscina e em pátios. Também absorve água sem perder a boa aparência e não propaga calor. Pode ser usada em mosaicos na parede e como revestimento de muros.

Ladrilho Hidráulico

É um tipo de revestimento bastante antigo mas que, de uns anos para cá, tem ganhado destaque na decoração. A sua principal característica são os desenhos e ornamentos que o tornam o revestimento de parede ideal para quem deseja um ar mais retrô.

O ladrilho hidráulico costuma ser mais usado em cozinhas, próximo às bancadas, mas também podem aparecer em varandas e banheiros – e em alguns projetos mais ousados, eles podem ser aplicados no chão.

A principal diferença desse tipo de revestimento está na sua produção, que é artesanal e, portanto, mais lenta do que as demais versões industriais. É por isso que também têm um custo mais elevado.

Papel de parede

casal colocando papel de parede
O papel de parede é uma opção de revestimento prática, com custo acessível e de fácil aplicação.

Ainda falando sobre os revestimentos de parede, temos o papel de parede – uma opção mais prática e com custo mais acessível. Além disso, ele é mais fácil de ser instalado, faz menos sujeira e não necessita de tantos cuidados na aplicação.

Massa texturizada

Com ela, é possível criar diversos desenhos nas paredes da sua casa. O material dispensa o reboco e a tinta e ele pode ser aplicado com o rolo, compressor ou desempenadeira.

Para um resultado bonito, contudo, é importante contratar um profissional especializado. No GetNinjas você pode fazer um orçamento do serviço que for necessário e escolher a melhor opção para sua obra.

Painéis 3D

Esse é um tipo de revestimento de parede que está em alta. Além de beleza, eles são fáceis de aplicar e podem ser vendidos em placas, com a colocação feita por meio de encaixe ou de adesivos.

Os painéis são indicados para áreas internas, especialmente nos locais onde se deseja criar um efeito decorativo ou um destaque.

Madeira e laminados

É um dos tipos de revestimento mais procurado, tanto na sua forma natural, como em materiais que imitam a textura.

Para pisos, as melhores madeiras são: Ipê, Cumaru, Garapa, Jatobá e Muiracatiara.

As formas mais comuns de aplicação são as listadas abaixo.

  1. Piso Laminado: possui fácil aplicação e bom custo-benefício por ser produzido com madeira aglomerada. O piso vem em peças prontas que são colocadas sobre uma manta de polietileno e não necessita de verniz. Porém, o laminado não pode entrar em contato com água ou sol intenso.
  2. Taco: pequenos pedaços de madeira dispostos sobre o contrapiso, compondo desenhos geométricos diferentes. Foi muito usado no Brasil entre as décadas de 1950 e 1960. Possui uma estética muito bonita, porém a instalação é trabalhosa, com lixamento e aplicação de verniz.
  3. Assoalho ou tábua corrida: tem o custo mais alto que o laminado porque é feito com madeira natural. A instalação exige um contrapiso nivelado e, depois de colocado, será preciso lixar e envernizar.
  4. Madeira de demolição: é ideal para quem deseja um estilo mais rústico. É um revestimento resistente e se tratado de maneira correta poderá durar anos.

Piso Vinílico

É um revestimento feito com PVC que pode ser comercializado em formato de placas, mantas ou réguas. Como é um material sintético, possui um preço bastante atrativo.

A aplicação é muito rápida e precisa ser feito sobre contrapiso nivelado. Outra vantagem é a facilidade de limpeza (que deve ser feita com pano úmido). Deve ser aplicado em áreas secas, longe da água.

Piso Monolítico

É chamado de piso monolítico todo aquele que não possui emendas, sendo, portanto, um material único. Atualmente, esse tipo de revestimento está em alta, contando com vários benefícios, como: facilidade de limpeza, rapidez na aplicação, resistência mecânica e ótimo acabamento estético.

Como não apresentam juntas, esses pisos não “grudam” sujeira, já que não têm rejuntes – e por isso são amplamente usados em hospitais, clínicas, indústrias e laboratórios.

Alguns tipos de monolíticos são os listados abaixo:

  1. Cimento queimado: piso com base de argamassa feito na obra por meio da mistura de cimento, areia e água. A mistura é assentada sobre o contrapiso e recebe uma camada de pó enquanto ainda está úmida. Seu charme vem do efeito manchado, das pequenas trincas e do seu caráter rústico.
  2. Granilite: É semelhante à composição do cimento queimado, porém com maior resistência graças à presença dos grânulos de minerais (granito, mármore, quartzo e calcário). Quando bem preparado, dura até 40 anos. O granilite pode ser usado em piso ou parede e pode ser polido ou fulgê (com relevo dos pedriscos).
  3. Resinas epóxi e poliuretano: o piso resinado é feito por meio da aplicação de um material líquido sobre o contrapiso. A resina epóxi se nivela automaticamente à superfície e a poliuretano precisa do nivelamento do contrapiso. Além disso, a epóxi é mais resistente a produtos abrasivos, sendo indicada para áreas internas e a poliuretano é mais resistente a riscos, choques e dilatações, sendo apropriada para áreas externas.

Como instalar revestimentos?

Como você viu, cada tipo de revestimento exige um cuidado específico na instalação, por isso a recomendação é sempre buscar uma mão de obra especializada, garantindo que o resultado será o esperado. E o GetNinjas é a plataforma ideal!

De qualquer forma, pode ser que você tenha de realizar alguns ajustes na parede ou no piso antes de instalar os revestimentos, como nivelamento do contrapiso ou o chapisco, emboço ou gesso liso das paredes, retirando as imperfeições e irregularidades.

Entender como cada um dos tipos de revestimento é assentado também é importante na hora de planejar a compra dos materiais. Em alguns casos, você terá de comprar argamassa (sendo algumas específicas, como é o caso das pastilhas) ou contratar equipes especializadas (como no caso das madeiras).

O mesmo cuidado deve ser tomado com a manutenção. Alguns tipos de revestimento não podem receber água ou produtos abrasivos, sendo necessário realizar a limpeza apenas com pano úmido, enquanto outros são mais fáceis de manter, como os cerâmicos e porcelanatos.

Agora ficou mais fácil entender os diferentes tipos de revestimento e escolher o mais indicado para a sua casa? Para receber mais conteúdos como este, cadastre seu e-mail em nossa newsletter e fique por dentro das melhores dicas para sua obra!

E encontre os materiais necessários para sua obra no Toca Obra: acesse o nosso site e veja os vários tipos de revestimento que separamos para você!

Contrate um ninja