As lâmpadas de LED são conhecidas por serem muito mais econômicas que as lâmpadas fluorescentes e incandescentes. Além de gastarem menos energia e durarem mais tempo, os diversos tipos de lâmpadas de LED existentes no mercado garantem a versatilidade deste item.

Por todas essas vantagens, as lâmpadas LED têm presença obrigatória em quase todos os projetos de construção e reforma. São tantos tipos de lâmpadas de LED que as dúvidas na hora de comprar são muito comuns.

Pensando nisso, preparamos um guia para ajudar você a escolher os melhores tipos de lâmpadas de LED para sua casa ou apartamento. Acompanhe!

Os critérios para escolher os tipos de lâmpadas de LED

Veja as características técnicas que você deve observar para acertar nessa escolha:

Potência

A potência, medida em Watts (W), diz respeito ao consumo de energia da lâmpada. Quanto maior a potência, mais energia a lâmpada vai gastar. Para se uma ter ideia da economia alcançada com o LED, os fabricantes costumam descrever na embalagem a equivalência do consumo em relação a outros modelos.

Por exemplo, você pode ver que 15 W de LED é equivalente a 100 W da lâmpada incandescente. Assim, já dá para ter uma boa ideia da economia, mas apenas a potência não é o suficiente.

Lúmen

O segundo critério técnico necessário para avaliar os tipos de lâmpadas de LED é o fluxo luminoso, também conhecido como lúmen (lm). Esse número representa a quantidade de luz emitida pela lâmpada em todas as direções e, quanto mais alto, mais luminosidade a lâmpada emite.

Para avaliar se a lâmpada de LED escolhida é realmente eficiente, você pode dividir o lúmen pela potência. Assim, se a lâmpada tiver um valor de lm/W alto, quer dizer que ela emite alta luminosidade gastando pouca energia.

Temperatura de cor da lâmpada

A temperatura de cor é imprescindível para escolher os tipos de lâmpadas de LED que se adaptam melhor para cada ambiente. A lâmpada mais amarelada, conhecida como luz quente, ajuda a relaxar e acalmar. Já a luz branca, ou fria, ajuda na concentração, dá a sensação de limpeza e facilita a leitura, sendo empregada para ambientes de trabalho ou estudos.

O critério técnico usado para isso é a chamada temperatura de cor da lâmpada, que é medida com a escala Kelvin (K) e, quanto maior o valor, mais clara e fria é a luz emitida. Por exemplo, a chama de uma vela tem uma temperatura de cor por volta de 1000 K, enquanto o céu azul, sem nuvens, tem temperatura de cor de mais de 5000 K. Para as lâmpadas, normalmente se classifica assim:

  • branco quente: de 2600 K a 3500 K — é a temperatura de cor de uma lâmpada incandescente comum;
  • branco neutro: de 4000 K a 4500 K;
  • branco luz do dia: de 5000 K a 5500 K
  • branco frio: acima de 6000 K — é comparável à luz das lâmpadas fluorescentes brancas.

Repare que a escala é um pouco contra intuitiva, pois quanto maior o número de Kelvin, mais fria é a temperatura de cor. Portanto, não confunda e lembre-se sempre de que um Kelvin maior é igual a uma lâmpada mais clara.

Vale dizer, ainda, que esta temperatura não tem nada a ver com a temperatura da lâmpada. Ela é apenas uma medida para a cor, e as lâmpadas de LED não esquentam e não emitem calor.

Tensão

As lâmpadas de LED estão disponíveis para uma voltagem de 12 V, 110 V, 220 V ou, ainda, bivolt. Na hora de comprar, você deve observar se a lâmpada é condizente com a rede da sua casa.

Sempre que precisar da ajuda de um profissional especializado, confira os serviços oferecidos pelo GetNinjas e faça um orçamento grátis para conhecer as opções disponíveis.

Conectores

Por fim, você deve observar o tipo de conector que está instalado na sua casa ou que está presente nas luminárias, lustres e outros itens de iluminação que você comprar. Os tipos mais usados são:

  • E27 — o tipo mais comum, com formato de rosca;
  • E14 — também tem o formato de rosca, porém com diâmetro e comprimento menor;
  • MR16 ou GU5.3 — o conector é formado por dois pinos cilíndricos de metal que se encaixam no receptor, mais ou menos como uma tomada;
  • GU10 — parecido com o MR16, porém os pinos têm um diâmetro maior na ponta.

Formatos e modelos das lâmpadas de LED

Além das características técnicas, os vários tipos de lâmpadas de LED podem ser encontrados em modelos variados, como explicamos a seguir:

Bulbo

É o formato mais tradicional, e os tipos de lâmpadas de LED de bulbo se assemelham aos modelos incandescentes, com a diferença que o vidro geralmente é branco em vez de ser transparente.

PAR

A lâmpada do tipo PAR é um dos tipos de lâmpadas de LED mais conhecidos. Diferentemente do bulbo, ela não tem o formato arredondado na ponta, mas sim uma superfície plana. As lâmpadas PAR geralmente têm conector do tipo MR16.

Formato de bolinha

A lâmpada LED em formato de bolinha se assemelha ao bulbo, mas geralmente é um pouco mais curta. É como se aquela parte inicial no bulbo não existisse, ficando apenas a ponta redonda.

Vela de LED

Já a vela de LED tem um formato alongado que, como o nome sugere, lembra uma vela. O bulbo, a PAR, a bolinha e a vela têm funções parecidas, e a principal diferença se dá pelo ponto de vista estético.

Veja quais tipos de lâmpadas de LED combinam mais com a luminária, abajur, lustre, ou pendente, e com o restante da decoração onde ela vai ser instalada — e não se esqueça de procurar o conector certo.

Tubular

Inspirado nas lâmpadas fluorescentes, o LED em formato tubular é indicado para locais que precisam de uma boa iluminação. Seu comprimento garante mais luz para todo o ambiente.

Fita de LED

A fita de LED é um material linear, vendido por metro, e que contém diversas lâmpadas de LED ligadas umas às outras. A fita geralmente tem com um material adesivo para facilitar a fixação. Ela é muito usada para decorar áreas como borda de espelhos ou em sancas, corrimão, escadas etc.

As fitas geralmente são fabricadas para uma tensão de 12 V e, se você quiser ligá-las numa tomada comum, vai precisar de um adaptor.

Spot

O spot é uma fonte de luz direcionada, utilizada onde é requisitada uma iluminação que se concentre em determinado ponto. Ele pode ser usado, por exemplo, acima de uma bancada na cozinha ou de uma mesa de trabalho.

O spot também é usado com outros tipos de lâmpadas, mas os spots de LED são um dos modelos mais populares.

LED colorida

Além dos tipos de lâmpadas de LED tradicionais, você pode inovar na decoração com a LED colorida. Especialmente as fitas de LED coloridas podem ser usadas para incrementar a decoração.

Tipos de lâmpadas de LED ideais para cada ambiente

Agora que você já entendeu tudo sobre os tipos de lâmpadas de LED, veja algumas dicas de iluminação para cada ambiente.

Quartos

Pedem uma iluminação mais aconchegante e lâmpadas mais amareladas. A lâmpada branca deixa o corpo mais alerta e pode espantar o sono. Por isso evite usar lâmpadas acima de 5000 K. Prefira, ainda, uma luminária que oferece uma iluminação mais difusa em vez de uma luz direta.

Se houver alguma mesa de trabalho ou espaço dedicado à leitura, vale a pena ter uma luminária ou spot de luz mais branca nesse local. Ao lado da cama, os pendentes são uma ótima forma de substituir os tradicionais abajures e liberar espaço nas mesas de cabeceira.

Salas

Devem ser flexíveis e adaptáveis tanto para atividades de descanso quanto para momentos onde uma luminosidade maior é desejada. Por isso, as salas são locais que pedem uma iluminação mais elaborada, com diversas fontes de luz.

As sancas com fitas de LED são uma boa opção, assim como spots de embutir no teto. Os dimmers, que permitem controlar a luminosidade das lâmpadas, também são uma ótima ideia. Para a sala de jantar, um pendente ou lustre sob a mesa de jantar vai deixar o ambiente mais requintado.

Cozinha e banheiro

São as áreas da casa que precisam de iluminação mais clara, pois são realizadas diversas atividades que exigem atenção. Na cozinha, por exemplo, é preciso enxergar bem um alimento que estiver sendo preparado. Já no banheiro, uma boa iluminação na hora de fazer a barba, por exemplo, é fundamental.

Por isso, prefira lâmpadas mais claras, com temperatura de cor acima de 4000 K. Especialmente na cozinha, a lâmpada de LED tubular é uma boa pedida. Os spots caem muito bem nas bancadas ou ilhas da cozinha.

No banheiro, o espelho também precisa receber uma iluminação direcionada para ele. Se você tem uma área de relaxamento, como uma banheira, pode investir numa iluminação menos brilhante e mais aconchegante para esse ambiente.

Jardins

Os jardins merecem um bom projeto de paisagismo e iluminação, pois as luzes podem fazer toda a diferença. Spots e luminárias na vegetação vão valorizar as plantas, enquanto postes e refletores podem ser usados para iluminar o jardim como um todo, especialmente na área onde as pessoas vão caminhar.

O jardins e outras áreas externas demandam um cuidado especial com a segurança. Certifique-se de que a rede elétrica está bem protegida para evitar acidentes com crianças e animais domésticos. Proteção contra chuva e sol em excesso também são importantes. 

Como vimos, as lâmpadas de LED são econômicas e duráveis, fazendo delas a primeira escolha dos projetos atuais. Os diversos tipos de lâmpadas de LED disponíveis no mercado garantem que elas se adaptem a todos os estilos e ambientes.

Gostou do artigo e quer continuar lendo sobre o assunto? Acompanhe os conteúdos do blog e cadastre-se na nossa newsletter para receber outras dicas de arquitetura e construção! 

Contrate um ninja