Uma das etapas mais importantes da obra, certamente, são as instalações hidráulicas. Afinal, elas estão relacionadas ao sistema de abastecimento, distribuição e escoamento de água do imóvel.

Para realizar a parte hidráulica é preciso bastante conhecimento, já que essa é uma parte muito técnica da obra.

Assim, a principal recomendação é sempre buscar o auxílio de especialistas, tanto engenheiros hidráulicos como profissionais capacitados para as instalações – além de utilizar os materiais certos e de boa qualidade.


Está se preparando para a etapa de instalações hidráulicas na sua obra? Continue lendo este conteúdo e veja as dicas importantes que separamos!

O que são as instalações hidráulicas?

As instalações hidráulicas são os subsistemas de um imóvel que realizam a correta captação, transporte e armazenagem de fluidos.

Fazem parte das instalações hidráulicas: as instalações de água fria e de água quente, as instalações de esgoto sanitário, as instalações de águas pluviais e os sistemas de combate a incêndio.

Instalação de água fria

É o sistema de instalações hidráulicas (tubulações, conexões, equipamentos, reservatórios e dispositivos acessórios) que tem como objetivo abastecer todos os pontos de água projetados e que serão usados em um imóvel.

A rede de água fria abastecerá as pias, tanques, chuveiros, torneiras e outros pontos da residência.

Além disso, de acordo com a NBR 5626 é preciso que o reservatório de água fria consiga garantir um fornecimento para, no mínimo, 24 horas, de acordo com o consumo previsto para o imóvel.

Abastecimento de água

O abastecimento de água pode ser feito de várias formas como por poços artesianos ou pela rede pública.

No caso dos poços, é preciso realizar a elevação da água do poço para o reservatório por meio de bomba elétrica ou manual. Já para o abastecimento da rede pública é preciso realizar a instalação com ponto de entrada e cavalete.

Rede de água quente

A rede de água quente dependerá do tipo de sistema de aquecimento usado nas instalações hidráulicas. Atualmente, o mais empregado é o aquecedor solar. Ele é composto por uma placa solar (normalmente instalada no telhado), além de tubulações e boiler.

A água fria é direcionada para a placa solar e permanece lá conforme é aquecida. Quando quente, sua densidade é reduzida, fazendo com que a água quente suba até alcançar a saída para o boiler, retornando a água quente à residência.

Caixa de água

É indispensável em qualquer obra e, dependendo do projeto, será preciso dispor de mais de uma caixa de água (inclusive com versões subterrâneas).

Tecnicamente, não existe um limite máximo para a quantidade ou capacidade da caixa de água em uma construção. Entretanto existem especificações mínimas (ditadas pela NBR 5626).

A Norma estipula que uma caixa de água deve ser projetada para atender a residência durante todo o dia, considerando o consumo médio de 200 litros por pessoa.

A instalação da caixa de água ocorre apenas após o término do telhado. Antes de concretar a laje, sempre verifique se todas as conexões da caixa de água estão devidamente posicionadas.

Rede de águas pluviais

É o sistema que coleta as águas das chuvas e a direciona até à frente da residência. Outra possibilidade é usar a rede de águas pluviais para aproveitar as águas das chuvas.

Essa não é uma rede muito comum de ser encontrada na maioria das residências. A ideia é criar um sistema capaz de coletar a água da chuva que poderá ser usada para atividades como rega do jardim, descargas e outros (sempre lembrando que esta água não é potável).

A coleta tem início no telhado, por meio das calhas, que direcionam as águas para tubos de coleta ou para a sarjeta localizada na frente do terreno.

Rede de esgoto

É de suma importância em qualquer obra e é responsável por direcionar os resíduos provenientes da rede sanitária, pias e ralos até o sistema de esgoto da cidade. 

Vale lembrar que, antes de ser despejada na rede de esgoto da cidade, a água suja coletada na residência passa pela caixa de gordura.

É a caixa de gordura que impede que restos de alimentos e de gordura entrem diretamente na rede pública, o que pode causar entupimentos. Para manter a eficiência, as caixas de gordura precisam ser limpas a cada seis meses.

Lembre-se, ainda, que o sistema de esgoto não deve estar em conjunto com o de águas pluviais, pois, em períodos chuvosos, os reservatórios irão transbordar e, quando isso ocorrer, o esgoto transbordará também.

Qual a importância das instalações hidráulicas na obra?

Já deu para notar que a instalação hidráulica de uma obra é de suma importância, não é? Ela deve ser projetada de acordo com a quantidade de moradores, o tipo de obra e as preferências e rotinas de quem habitará a casa.

imagem de instalações hidráulicas na obra entre tábuas de madeira
Há diversos tópicos para considerar durante as instalações hidráulicas, sempre consulte profissionais.

Quando mal dimensionada ou realizada, o imóvel contará com vários problemas, como desabastecimento, problemas no esgoto, vazamentos, infiltrações, torneiras com fluxo descontínuo de água, poucos pontos de água, entre outros.

Por isso, é essencial sempre realizar um bom projeto hidráulico. Na planta baixa já há a especificação de onde serão instalados os chuveiros, os registros, as pias, as duchas, os ralos, o tanque, a máquina de lavar etc.

Mas é necessário contratar um especialista para que ele defina a parte técnica da instalação hidráulica, ou seja, definir onde passarão as tubulações, qual será a posição e o suporte da caixa de água, quais os tubos e conexões devem ser usados e outros pontos essenciais.

O que preciso para um projeto de instalações hidráulicas?

O projeto hidráulico é de suma importância para qualquer edificação e geralmente é complementar ao projeto de arquitetura. Para um bom projeto, será preciso considerar o consumo médio do imóvel, as cargas de cada ponto, as perdas de pressão em função do percurso e as conexões necessárias nas redes de distribuição.

Além disso, o profissional considerará outros detalhes como a quantidade de ramais de distribuição, o correto posicionamento, os diâmetros das tubulações para as vazões necessárias etc.

Vamos ver algumas dicas em detalhes de cada um dos tipos de instalações hidráulicas.

Instalações de água fria

As instalações de água fria são compostas por um conjunto de tubulações, dispositivos, equipamentos e reservatórios. Os sistemas podem ser:

1)    Direto: alimenta os pontos de água projetados sem usar a água do reservatório. É a distribuição da água da rede pública até os pontos de uso e consumo.

É o sistema mais barato e de simples execução, contudo, quando há interrupção no abastecimento público, os pontos da edificação alimentados diretamente também ficam sem água;

2)    Indireto: é o sistema que alimenta os pontos de água usando do reservatório. Assim, é possível manter a alimentação de água mesmo quando há interrupção no abastecimento da rede pública;

3)    Misto: é os sistema que usa pontos de abastecimento direto e indireto. Em geral, as torneiras externas (jardins e tanques) usam o sistema direto e a parte interna da residência (chuveiros, pias da cozinha e do banheiro) usam o sistema indireto.

Rede de esgoto

A rede de esgoto deve conter as caixas de gordura e as caixas de inspeção em posições estratégicas ao longo do percurso. As tubulações devem ser passadas e posicionadas exatamente de acordo com o projeto, antes da concretagem.

As caixas de limpeza ou inspeção são instaladas na fase de ligação da rede de esgoto e possibilitam a inspeção, o reparo e a desobstrução da rede.

As tubulações da rede de esgoto devem ser em PVC e específicas para essa finalidade, em tubos brancos, normais ou reforçados.

Em geral, essas tubulações ficam enterradas e devem conter a inclinação mínima em direção ao ponto de descarte final, pois o esgoto é transportado por gravidade.

Reservatório

O reservatório (caixa d’água) pode ser inferior ou superior. Nos casos de edifícios com dois reservatórios é preciso respeitar as normas quanto às capacidades referentes ao consumo e reserva de incêndio.

Quando a pressão de fornecimento da rede pública não é suficiente para abastecer o reservatório superior, deve-se usar um reservatório inferior, do mesmo modo quando estão localizados em alturas elevadas.

Dessa forma, quando se usa um reservatório inferior, é preciso que a água seja levada até o reservatório superior por meio de bombas.

Já o reservatório superior é usado para armazenar e distribuir a água por meio da gravidade. Por isso, o reservatório é comumente instalado na cobertura e a água chega com a pressão necessária nos pontos de utilização.

Outra dica importante é sempre localizar o reservatório o mais próximo possível dos pontos de utilização, evitando muitas conexões e curvas que causam perda de pressão.

Fazem parte do sistema do reservatório:

1)    Boia de caixa de água: válvula que permite que o reservatório seja abastecido até o nível adequado. Quando o nível sobe, a boia interrompe o fluxo de água e impede que a caixa transborde;

2)    Ladrão: tubulação feita em caso de falha da boia, permitindo que o excesso de água seja direcionado à tubulação de drenagem, impedindo que o reservatório transborde sobre a laje ou cobertura.

Rede de águas pluviais

É a parte da instalação hidráulica que realiza o escoamento das águas das chuvas. O sistema é feito por meio de calhas, bocais de escoamento, tubos de coleta e grelhas, permitindo escoar a água até a sarjeta em frente ao terreno.

Tipos de tubos usados nas instalações hidráulicas

São vários os tipos de tubos que podem ser usados nas instalações hidráulicas, sempre considerando o material que passará por eles. Os mais indicados são:

1)    PVC: tubos e conexões para a condução de água fria (temperatura de trabalho a 20ºC);

2)    CPVC: tubos e conexões de alta resistência mecânica à corrosão. Usados para água fria e quente com temperaturas de trabalho de 70ºC a 80ºC;

3)    PPR: tubos e conexões unidos por termofusão a 260ºC, formando uma tubulação única, sem riscos de vazamentos. São indicados para água quente e dispensam o isolamento térmico. A temperatura de trabalho é de 70ºC, mas suportam até 95ºC;

4)    PEX: sistema de bobinas de tubos (tipo mangueira) ligados a um módulo distribuidor que conduz água fria e, principalmente, água quente, com temperatura de trabalho a 70ºC e picos de 95ºC. As conexões são metálicas do tipo deslizante e são os mais indicados para paredes drywall;

5)    PVC esgoto: se divide em série normal (branco) e série reforçada (cinza claro).

Quais os principais erros a ser evitados com as instalações hidráulicas?

Já deu para notar que as instalações hidráulicas são extremamente importantes em qualquer residência – e também que envolvem muitas questões técnicas, não é mesmo? Abaixo separamos alguns erros comuns que precisam ser evitados. Confira.

encanamentos de cobre, vermelho e azul de instalações hidráulicas na obra
Confira os erros mais comuns para não cometer durante as instalações hidráulicas.

Não fazer o teste de estanqueidade

Depois de realizar a instalação de todos os encanamentos e registros, é recomendado realizar o teste de estanqueidade das tubulações antes de instalar os revestimentos das paredes.

Esse teste permite verificar vazamentos e outros problemas antes de fechar as paredes (evitando ter de rasgá-las novamente para consertar os problemas).

Não se preocupar com a qualidade dos canos e conexões

Como as tubulações e conexões ficam escondidas nas paredes, muitas pessoas acabam não se preocupando com elas.

É fundamental escolher materiais de qualidade e, principalmente, que sejam indicados para o uso que você dará, como optando pelos canos ideais para água quente e esgoto, por exemplo.

E sempre compre conexões apropriadas, impedindo que os canos sejam dobrados com fogo, por exemplo, uma prática que pode derreter o material e causa vazamentos.

Apenas considerar a beleza das louças e metais

Quando for comprar as torneiras, chuveiros e outros itens da sua casa, sempre converse antes com o encanador para lhe orientar sobre os produtos mais indicados de acordo com as características do seu espaço.

Comprar um chuveiro fora das especificações de pressão de água, por exemplo, pode causar dificuldades no uso dele.

Guardar os tubos e conexões de qualquer jeito durante a obra

Os tubos sempre devem ser armazenados na horizontal e as conexões devem ficar em sacos ou caixas. Além disso, deixe o material em local com sombra e sem tomar sol direto, para não danificá-los.

Não guardar o projeto hidráulico após a conclusão da obra

Lembre-se que você precisará furar paredes para instalar móveis e outros itens, por isso é importante saber onde passam os encanamentos, evitando vazamentos e problemas futuros.

Esquecer os pontos de saída de água para aparelhos e torneiras

Imagina terminar a cozinha, com aquele revestimento lindo, e lembrar que você não deixou um ponto de água para o filtro ou a máquina de lavar? Infelizmente isso é algo que ocorre bastante e, nesse caso, será preciso quebrar toda a parede novamente.

Conclusão

Neste conteúdo, você viu que as instalações hidráulicas são extremamente importantes – e exigem muitos conhecimentos técnicos específicos.

Por isso, além do projeto de arquitetura, é essencial investir em um projeto hidráulico que considerará a quantidade de moradores, o estilo de vida e o uso de água na residência, tornando seu imóvel prático e funcional para suas necessidades.

Gostou das nossas dicas? Já sabe tudo sobre instalações hidráulicas? Encontre o que precisa para sua obra ou reforma no Toca Obra e os profissionais adequados no GetNinjas!

Contrate um ninja